sexta-feira, 25 de março de 2011

Arte e Artesanato > Qual é a diferença?

Paulo Victorino

Não explica, que
complica
.
     Uma consulta recente traduz a dúvida que acompanha a maioria das pessoas que gravitam em torno do mundo das artes: qual a diferença entre artesanato e arte?
     A questão embaraça até mesmo dicionaristas que, no intuito e dever de esclarecer, por vezes se enrolam nas explicações e causam ainda mais dúvidas.
     Vejamos as definições dadas pelos dicionários do Aurélio e do Houaiss. Não são a mesma coisa. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (1910-1989) era um lexicógrafo, enquanto que Antônio Houaiss (1915-1999) era um filólogo.
     O primeiro reunia palavras e buscava-lhes o significado. O segundo, tal qual um médico legista, dissecava os termos, para estudá-los em todos os seus detalhes. Em alguns casos, isso representa uma grande diferença nas conclusões.
O que diz o Aurélio
No dicionário do Aurélio-Século XXI, digitalizado, encontramos as seguintes definições:

ARTE - 3. Atividade que supõe a criação de sensações ou de estados de espírito de caráter estético, carregados de vivência pessoal e profunda, podendo suscitar em outrem o desejo de prolongamento ou renovação: uma obra de arte; as artes visuais; arte religiosa; arte popular; a arte da poesia; a arte musical.
ARTISTA - 1. Pessoa que se dedica às belas-artes, e/ou que delas faz profissão: "Europa é sempre Europa, a gloriosa!... / A mulher deslumbrante e caprichosa, / Rainha e cortesã. / Artista -- corta o mármore de Carrara" (Castro Alves, Poesias Escolhidas, p. 341). 2. Pessoa que revela sentimento artístico.
ARTESANATO - 3. P. ext. O produto do trabalho do artesão (2); objeto, ou conjunto de objetos feitos artesanalmente: Via-se na praça todo o artesanato da cidadezinha; O artesanato de couro invadiu agora as lojas mais requintadas.
ARTESÃO - 1. Artista (4) que exerce uma atividade produtiva de caráter individual. 2. Indivíduo que exerce por conta própria uma arte, um ofício manual.

O que diz o Houaiss
     Há pouco tempo, post-mortem, foi publicada a primeira edição do Dicionário Houaiss, em papel e em CD-Rom. Eis a interpretação dele para os mesmos termos:

ARTE - s.f. (sXIII cf. IVPM) 1 fil segundo tradição que remonta ao platonismo, habilidade ou disposição dirigida para a execução de uma finalidade prática ou teórica, realizada de forma consciente, controlada e racional 4 p.ext. (das acp. 1 e 2) o uso dessas habilidades nos diversos campos da experiência e da prática humana 9 p.met. o próprio ofício, esp. quando se trata de trabalho manual 15 estét produção consciente de obras, formas ou objetos voltada para a concretização de um ideal de beleza e harmonia ou para a expressão da subjetividade humana 16 p.ext. (da acp. 15) o talento, a contribuição própria da inteligência e da sensibilidade de um art.plást 1 designação atribuída pelo pintor Jean Dubuffet (1901-1985) à arte dos psicóticos, crianças e grafiteiros, caracteristicamente casual e espontânea, cujo impulso inconsciente parece surgir em estado bruto 2 p.ext. estilo artístico promovido por esse pintor, que imita ou se inspira em tais manifestações espontâneas artesn hist.art indús designação dada, na Modernidade, às artes voltadas para a decoração de interiores, que englobam a tapeçaria, o mobiliário, a cerâmica e o bordado; artes aplicadas, artes menores, artes ornamentais [No sXX, as artes decorativas integram-se no design, o desenho industrial artes criativas ? p.opos. a artes menores ? a. manuais as que são realizadas manualmente mas não envolvem elaboração intelectual, a exemplo da tecelagem, cestaria e assemelhadas ? a. mecânicas as que comportam trabalho manual, mas realizado com o uso de máquinas ? a. menores artesn hist.art indús m.q. artes decorativas ? p. opos. a artes maiores ? a. plásticas aquelas em que se recriam linhas, formas, cores, volumes, compreendendo, pois, o desenho, as muitas modalidades de pintura, de gravura e escultura, a arquitetura
ARTISTA - s.2g. (1540 JBarG fº 40) 1 aquele que estuda ou se dedica às belas-artes e/ou delas faz profissão 2 aquele que tem o sentimento ou o gosto pelas artes ator artífice ? adj.2g. 11 que tem o sentimento ou o gosto da arte 12 diz-se de pessoa que tem talento, engenho 13 astuto, artificioso, manhoso ? etim prov. do it. artista (a1321) 'artesão, aquele que exercita uma das artes liberais'; há quem afirme já estar o voc. artista registrado no lat.medv.;
ARTESANATO - s.m. (1958 cf. AA) 1 a arte e a técnica do trabalho manual não industrializado, realizado por artesão, e que escapa à produção em série; tem finalidade a um tempo utilitária e artística 2 conjunto das peças de produção artesanal 3 conjunto dos artesãos de um determinado gênero 4 local onde se exerce ou ensina o artesanato 5 o produto final do trabalho feito pelo 1artesão ? etim 1artesão sob a f. rad. artesan- + -ato; ver art(i).
ARTESÃO - s.m. (sXV cf. IVPM) 1 indivíduo que pratica arte ou ofício que dependem de trabalhos manuais 1.1 artífice que exerce sua profissão em oficina própria ? gram fem.: artesã; pl.: artesãos ? etim it. artigiano 'que atua numa produção em caráter doméstico e tradicional, não em série, com instrumentos de sua propriedade e com utilização de mão-de-obra pouco numerosa', der. de arte; cf. fr. artisan < it. (1546) 'aquele que exerce uma arte manual'; f.hist. sXV artesaãos ? sin/var ver sinonímia de artífice ? par artesã(f.)/ artesa /ê/ (s.f


Nem sempre foi assim
     Dá para perceber os termos se cruzam e se misturam (a propósito, você sabe a diferença entre «palavra» e «termo»?).
     Lendo as definições do Aurélio e do Houaiss sobre arte e artista, artesanato e artesão (apenas trechos, para poupar espaço), não se chega a um perfeito entendimento.
     Mas nem sempre foi assim. Essa distinção entre arte e artesanato era bem clara e evidente, desde a Idade Média, até o surgimento da Revolução Industrial, a partir de meados do Século 18. Até então, havia duas categorias bem distintas, que faziam oposição entre si e de maneira alguma se misturavam.
     De um lado, estavam as Corporações de Ofício, chamadas também de guildas, ansas, confrarias ou fraternidades, que se espalhavam por toda a Europa. Eram organizações urbanas detendo o monopólio do exercício de determinadas profissões e das técnicas a elas associadas. A transmissão dos conhecimentos técnicos era feita pelos mestres aos aprendizes no interior dessas associações.
     Como havia um controle fechado para a admissão de aprendizes e como o uso de ferramentas era bastante limitado, o resultado final era o artesanato, com um trabalho final muito bonito, mas destituído de alma ou de individualidade.
     Do outro lado, estavam os artistas plásticos, se bem que esta expressão ainda não tinha sido criada. Não pertenciam a qualquer corporação, eram extremamente individualistas, tinham uma visão particularizada de seu trabalho e, por isso, cada um deles se distinguia dos demais, sendo possível estabelecer uma ligação estreita e inapagável entre o artista e a obra criada, o que não acontecia com o artesanato.
A Revolução Industrial
mudou tudo
Com o advento das máquinas e das fábricas, o artesanato, antes privilégio de Corporações, passou a ser exercido por grupos familiares e até por pessoas, individualmente, na busca da sobrevivência. Alguns deles conseguiram imprimir sua personalidade ao trabalho que exerciam de maneira que, em muitos casos, passou a ser difícil distinguir entre o que era artesanato e o que já podia ser considerado arte.
     Essa confusão permanece até os dias de hoje. Mestre Vitalino era um artista ou um artesão? E o grande número de pessoas que seguiram seus passos, fazendo bonecos e estatuetas, até onde são artesãos e onde começam a ser realmente artistas ?
     Pelo que se verifica, há uma área de transição, bastante nebulosa, em que a interpretação entre artesanato e arte passa a ser arbitrária, dependendo do senso de cada um.
A alma das coisas
     Todo artesão se considera um artista, mas, pelo meu entendimento, somente deve ser reconhecido como tal aquele que consegue coloca individualidade no próprio trabalho, fazendo com que este reflita os conflitos de sua alma e traduzam a própria concepção sobre o mundo em que ele vive.
     Uma obra de arte pode até ser inspirada em outra, parecendo uma cópia, mas nunca será igual. É comum a repetição de temas, como Pietá, As três graças, Madalena penitente, Moema e outros, mas a obra de cada artista se distingue, de forma inequívoca, das demais. Em verdade, nem o próprio artista consegue reproduzir sua obra, pois cada «cópia» revela seu estado de espírito no momento em que é realizada.
     Esta separação formal não desmerece nem o artista, nem o artesão, apenas os coloca em seu lugar apropriado, para fins de classificação.
     Um e outro realizam um importante trabalho registrando nele História e Geografia, o tempo e o espaço, sem que percebam isso, estão acrescentando elementos importantes para o estudo da cultura de um país, uma região ou uma época.

Nenhum comentário:

Postar um comentário